14 de novembro de 2011

58| De amor e perfeição

Nada é perfeito, senão aquilo a que se ama...
Daí decorre que o cientista não deve amar suas teorias.

Em amor, como se sabe, há várias modalidades; obviamente, aqui se trata do amor cego.

Nenhum comentário:

Postar um comentário